Educação financeira e Securitária

Gasto consciente ou Conscious spending: alinhar o seu gasto com os seus objetivos

Gasto consciente ou Conscious spending: alinhar o seu gasto com os seus objetivos

Iniciação > Educação e Divulgação > Educação financeira e Securitária > Poupança > Poupar mais > Gasto consciente ou Conscious spending: alinhar o seu gasto com os seus objetivos

“Gaste extravagantemente com as coisas que você ama e corte os custos impiedosamente com as coisas que não ama”. Este é o conselho do perito em finanças Ramit Sethi, autor do livro “I Will Teach You To Be Rich”, que resume à perfeição o conceito de conscious spending ou gasto consciente.

conscious spending é uma forma diferente de focar a sua economia e, principalmente, o seu gasto. Supõe colocar o foco no que realmente te interessa, no que lhe faz feliz. Serve para transformar o dinheiro em uma ferramenta, que seja um meio e não um fim.

Tanto faz se o que você gosta é estar na moda, se você é um fanático por tecnologia, um corredor ou um viajante inveterado. Quando você pratica o conscious spending, é fácil identificar as suas paixões apenas olhando as suas contas. Uma pessoa conseguiria fazer isso agora apenas olhando os seus gastos? Certamente não.

Se você for como a maioria e cometer os mesmos erros com o dinheiro, haverá muitos gastos que não dizem nada sobre você e que estão aí literalmente comendo o seu orçamento e o dinheiro suado que você ganha.

Um exemplo de conscious spending

Você gastaria 2.000 reais por ano somente em sapatos? Dito desta forma pode parecer uma barbaridade e, no entanto, não tem por que ser assim. E não, não tem nada a ver com poupar muito ou pouco dinheiro. A chave está no conscious spending.

Este é o caso da Ana, que a cada ano compra entre 10 e 15 novos pares de sapatos e sandálias simplesmente porque adora. Ana tem um bom salário, um pouco superior à média, mora em um apartamento compartilhado nas redondezas, dirige um carro simples, tem um celular de linha média-baixa e sempre leva marmita ao trabalho.

Como vê, Ana é capaz de adaptar os seus gastos para focar o dinheiro na sua paixão: os sapatos. Mas o mais importante é que Ana não apenas gasta, ela também economiza e investe todos os meses.

Continua sendo muito 2.000 reais em sapatos? Para alguém que não gosta, possivelmente sim, mas se é a sua paixão e você tem o restante das suas finanças em ordem, quem poderá dizer que está errado? Por acaso seria muito se em vez de sapatos falássemos de uma viagem, por exemplo?

Como colocar em andamento o seu plano de conscious spending

Um bom plano de conscious spending é uma forma diferente de focar o seu orçamento pessoal. Se você tem dificuldade em mantê-lo atualizado, o gasto consciente pode te ajudar a fazê-lo ou, pelo menos, fazer com que não seja tão difícil.

Como começar o seu? Para você começar são necessários quatro passos:

Passo 1. Pense nos seus objetivos de vida e nos gastos que te fazem mais feliz

O objetivo do conscious spending é alinhar o seu gasto aos seus interesses. Em outras palavras, focar o seu dinheiro no que te faz mais feliz. Por isso mesmo, o primeiro ponto que você precisa identificar é: quais são essas coisas e esses gastos.

Por que fazer isso antes de ter o seu orçamento ou seu plano? Porque uma coisa é como você geralmente gasta o seu dinheiro e outra completamente diferente é como você gostaria de gastá-lo. Pensar antes nos seus objetivos de vida e depois rever os seus gastos te ajudará a mudar a perspectiva.

Passo 2. Categorize os seus gastos

Como acontece em um orçamento, para poder gastar de forma mais consciente você precisa saber como está usando o seu dinheiro. Você deveria ser capaz de estabelecer quatro categorias básicas:

  • Gastos fixos
  • Investimentos
  • Objetivos de economia
  • Gastos livres de culpa ou remorso

Isto é o que você deve incluir em cada um deles:

Gastos fixos ou o que você precisa para viver

Aqui é onde aparecerão o aluguel, os gastos do lar, telefone, transporte… Registre todos estes gastos e adicione 10% a cada um deles. Assim você estará coberto em caso de eventuais aumentos de preços e gastos fixos com os quais não tenha contado.

Idealmente, estes gastos atingirão entre 50 e 60% do seu orçamento.

Investimentos: planeje o seu futuro a longo prazo

Para poder gastar sem culpa ou remorso e com o que você gosta, primeiro é preciso fazer a lição de casa. Uma delas é planejar a sua aposentadoria e investir para assegurar o seu futuro econômico.

Pelo menos, entre 5% e 10% das suas receitas deveriam ir para o seu plano de investimento de longo prazo.

Objetivos de economia

Um novo móvel, as férias deste ano, trocar os eletrodomésticos e, inclusive, comprar uma casa. Todos queremos coisas e a forma de obtê-las sem financiar o seu futuro é a poupança.

Esta parte do seu plano é destinada às economias de curto, médio e longo prazo. Por exemplo, esse novo móvel que há tempo você quer comprar, um carro novo ou a entrada no financiamento da casa própria.

É claro que, se você não conta com um fundo de emergência, o seu primeiro objetivo de economia deveria ser começar um.

Qual quantia você deveria dedicar mensalmente aos seus objetivos de economia? A porcentagem dependerá de quanto você investe e quais são as suas metas, mas em torno de 15%-20% das suas receitas podem ser destinados para esta categoria.

Gastos livres de culpa ou remorso

Esta é a parte mais importante, onde o conscious spending está realmente em jogo.

Em um orçamento habitual, estes gastos livres fariam parte dos gastos variáveis. Se você fez a lição de casa corretamente e seguiu as recomendações anteriores, poderá gastar entre 10-30% do seu orçamento como desejar, sem culpa ou remorso. Esta é a parte das receitas reservada para você, para que possa desfrutá-la como desejar.

A única coisa que você deve se certificar é que está gastando conforme as suas prioridades. Por isso, o primeiro passo do processo é descobrir o que te faz feliz e onde quer focar o seu dinheiro.

Por exemplo, se para você comprar uma casa é uma prioridade, poderá focar todos os seus esforços nesse objetivo, aumentando a economia e reduzindo outros gastos variáveis.

Passo 3. Automatize todo o processo

Agora que você já sabe como está gastando o seu dinheiro e como quer fazê-lo, chegou o momento de colocar em prática.

Para começar, você só precisa decidir qual porcentagem das suas receitas será atribuída para cada categoria e deixar tudo pronto para que funcione de forma automática (sempre até certo ponto). Assim, o sistema continuará funcionando sem depender da sua memória nem da sua força de vontade.

Neste artigo contamos como poupar de forma automática com um modelo que também pode ser aplicado aos seus investimentos. De fato, há produtos, para os quais você pode programar uma ordem de investimento no montante e periodicidade que desejar. Estes produtos vão desde de ativos de renda fixa, como CDB e Títulos do Tesouro, até poupança e seguros de vida e fundos de previdência.

Depois de automatizar todos os pagamentos fixos (incluindo a economia e o investimento), o dinheiro que restar na conta será para você e, você poderá fazer o que quiser com ele.

Pratique o conscious spending e a gestão das suas finanças pessoais terá um caráter mais pessoal.